SITE OFICIAL DA CIDADE DE MONTALVÂNIA
WWW.MONTALVANIA.COM.BR


Role para baixo
     

montalvania@montalvania.com.br
(77) 9 9949-4184 / 9 9140-6265
 IBGE
  04 Outubro de 2017
Censo sobre produção agropecuária
Censo sobre produção agropecuária do Brasil mobiliza 26 mil pessoas e seguirá até fevereiro.

O IBGE dá início hoje ao 10º censo sobre a produção agropecuária do Brasil. A fase de coleta do Censo Agro, que compreende a aplicação dos questionários a todos os estabelecimentos agropecuários do Brasil, será realizada até 28 de fevereiro de 2018. 


ATIVIDADE

Os principais objetivos do censo são obter informações sobre a atividade de produção, sobre crédito, número de pessoas envolvidas na atividade e acompanhamento das safras. No último Censo, feito em 2006, foram registrados 5,2 milhões de estabelecimentos agropecuários em todo o país. 


BOVINOS

Na época, existiam 16,6 milhões de trabalhadores ocupados na área agrícola e a atividade mais comum era a criação de bovinos. O novo censo deve mobilizar cerca de 26 mil pessoas, desde a fase de seu planejamento até a divulgação dos resultados. 


 Polícia
  02 Outubro de 2017
VÍDEO MOSTRA VEREADOR AGREDINDO VERBALMENTE FEIRANTES EM MONTALVÂNIA
O vídeo mostra o vereador apontando o dedo para um dos feirantes, na sequencia, o parlamentar chama o feirante de vagabunda e vai embora.

Um vídeo com pouco mais de um minuto postado nas redes sociais, mostra uma discursão acalorada entre o vereador Aroldo Francisco Flores, Nanô (PTB) e um feirantes, na Feira Livre do município de Montalvânia, no Norte de Minas Gerais, no último sábado 30 de setembro. O feirante acusa o parlamentar de chantagem, em seguida ameaça chamar a polícia.

O vídeo mostra o vereador apontando o dedo para um dos feirantes, na sequencia, o parlamentar chama o feirante de vagabunda e vai embora. O restante do áudio ficou inaudível, na filmagem.

O vereador não foi localizado para comentar sobre o ocorrido, mas o espaço fica à disposição para os devidos esclarecimentos. Fonte: folhadovale.net

Vídeo


 Horário de verão
  25 Setembro de 2017
HORÁRIO DE VERÃO SERÁ MANTIDO
Relógios devem ser adiantados a partir de 15 de outubro, e até 19 de fevereiro

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, confirmou há pouco que o horário de verão será mantido em 2017. Os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil deverão adiantar os relógios em 1 hora a partir de 15 de outubro. 

3º DOMINGO

Desde 2008, o horário especial vigora até o 3º domingo de fevereiro do ano seguinte, que em 2018 será no dia 19 de fevereiro, quando os relógios serão atrasados em 1 hora.

QUEDA

O fim do horário de verão chegou a ser avaliado depois que estudo do Ministério de Minas e Energia apontou queda na efetividade do programa.

PESQUISA

O Ministério de Minas e Energia informou que, para 2018, o governo deve fazer uma pesquisa para decidir se mantém ou não o horário de verão nos próximos anos.

 Horário de verão
  22 Setembro de 2017
VAI TER?
Enquete na semana que vem vai ajudar a extinguir, mais uma vez, o "horário de verão"

Na semana que vem deverá ser feita enquete no portal oficial do governo sobre a opinião da população em relação ao fim do horário de verão. 

ACABAR

Como o tema gerou grande repercussão nas redes sociais ontem, a equipe de comunicação do Palácio do Planalto decidiu realizar a pesquisa para ajudar na decisão de acabar ou não com o horário especial. 

DECRETO

O governo está avaliando a conveniência ou não de adotar o horário de verão neste ano. Desde 2008, decreto presidencial estabelece as datas para o início e término do horário de verão. 

ABAIXO

A última edição foi de 16 de outubro de 2016 a 19 de fevereiro de 2017. No período, a economia foi de R$ 159,5 milhões. O valor ficou abaixo do verificado na edição anterior (2015/2016), quando foram poupados R$ 162 milhões.

 Política
  22 Setembro de 2017
O DINHEIRO DA PONTE

A previsão de investimento anunciada por Fernando Pimentel para a construção de ponte sobre o Rio São Francisco na rodovia MG-402, na altura da ligação os municípios de São Francisco e Pintópolis, é de R$ 105 milhões e não de R$ 51 milhões que apontei aqui em texto sobre o assunto na véspera da viagem da comitiva do governador ao Norte de Minas. O valor anterior era mera estimativa do custo da construção da ponte aina na fase pré-projeto. Se ficar nisso, já estará de bom tamanho.

No Brasil, como é de conhecimento até das piabas que por enquanto ainda vicejam no fundo do Velho Chico, previsões de gastos para obras públicas não tem valor de face – invariavelmente, elas sobem entre a concepção do projeto e a finalização do empreendimento. Isso, quando eles são concluídos. No caso da ponte sobre o São Francisco a urgência pela conclusão da obra conta ainda com outro imperativo de urgência: se demorar, será desnecessária. Daqui a pouco será possível atravessar o leito do rio a pé em boa parte do ano, caso persista o atual regime da falta de chuvas.

Estranha no ninho

A deputada federal Raquel Muniz (caso não tenha mudado de partido como muda de vestidos, ainda é do PSD) apareceu no ato de pré-campanha do governador Pimentel em São Francisco, na terça-feira. No dia seguinte, seu jornal estampava curiosa manchete em que se sugeria que a deputada era a madrinha da ponte entre Pintópolis e São Francisco. A deputada do inesquecível ‘sim, sim, sim’ pelo impeachment da esquecida ex-presidente Dilma Rousseff parece ter entrado numa luta de vale tudo em busca da sua complicada reeleição a um segundo mandato. Menos, Raquel. Menos.

E a ponte entre Manga e Matias Cardoso?

Quem também tenta tirar uma casquinha com o anúncio da construção da Ponte em São Francisco é o deputado estadual Paulo Guedes. No caso dele, com mais justeza entre o ato e o propósito, afinal é o seu governo quem anuncia a medida. Os adversários do petista, no entanto, tentam retirar seu eventual mérito no assunto com a lembrança de que essa ponte deveria ter sido construída entre Manga e Matias Cardoso, território de origem de origem política do parlamentar. O projeto da ponte entre Pintópolis e São Francisco precede Manga-Matias, que ainda encontra-se na fase de elaboração do projeto básico. Os críticos de PG têm razão em um ponto: duas pontes sob o São Francisco no intervalo de um mesmo governo seria melhor que a encomenda e dificilmente vai acontecer. Fonte: www.luisclaudioguedes.com.br